Passar para o Conteúdo Principal

Mensagem do Presidente

Presidente

Aqui chegados, ainda longe de podermos perceber como e quando terminará a pandemia por que temos passado, sabemos já, e sentimos bem, os seus efeitos devastadores.

Parecem-me nesta altura inevitáveis as referências a diversos aspetos relacionados com o tempo excecional e terrível por que temos passado, tendo-se constituído num dos piores períodos de que temos memória, tanto em termos individuais como coletivos. Para muitos, em termos individuais e familiares foi um período terrível, e mesmo trágico, tendo mesmo sido perdidas muitas vidas, a cuja memória dedicamos um profundo sentimento.

Toda a nossa ação, ainda que muito esforçada, e baseada na melhor informação disponível em cada momento, foi insuficiente perante uma pandemia extremamente agressiva e de contornos completamente desconhecidos, e mesmo inesperados, em muitos casos. Tem valido a todos nós a organização social que fomos construindo, sem a qual teríamos certamente sofrido efeitos ainda mais devastadores. É por isso este o tempo para reconhecer e agradecer a todos quantos, nas nossas Instituições, públicas, privadas ou sociais, serviram exemplarmente a causa com que se comprometeram. E é mesmo esse compromisso que temos que reforçar, uns com os outros e com a nossa forma equilibrada, coesa e solidária de viver.

Sempre quisemos, aliás, ajudar a construir um concelho mais próximo, mais coeso e mais solidário, e isso nunca foi tão necessário nem tão indispensável como ao longo dos últimos já muitos meses. A pandemia tem provado, mais do que qualquer outra circunstância, que a nossa estratégia de incluir todas as dimensões, e todos os atores nas respostas que precisamos de dar, é a única que pode resultar, apesar do reconhecimento das falhas a que todos estamos sujeitos.

Esta estratégia não pode dispensar também a valorização dos nossos melhores produtos, da nossa cultura e do nosso território, sempre que possível através da conjugação simultãnea de todos estes fatores de desenvolvimento. E temos tão boas razões para prosseguir este caminho! A nossa Serra de Leomil e o seu Planalto da Nave, por exemplo, têm recantos e encantos que muito bem podem ser aproveitados neste tempo de pandemia, que persiste, mas que não retira a segurança indispensável aos melhores momentos de lazer ao ar livre, em completa sintonia com a natureza.

É que a vida tem que prosseguir em todos os seus aspetos essenciais, e apesar de todos os constrangimentos, não sendo sequer possível uma fixação excessiva nas ações de curto prazo, que inibisse a indispensável atenção aos aspetos de mais longo prazo, ainda que aquelas funções tenham, como tantas vezes têm, um caráter emergente.

Anima-nos esta capacidade coletiva que temos demonstrado para superar todas as dificuldades, e a certeza que elas não serão maiores do que a nossa capacidade para as ultrapassarmos.

É assim que será, sempre!