Passar para o Conteúdo Principal

Conferências do Douro Sul

2012112319102884609 1 980 2500
23 Novembro 2012

“Depois do investimento na satisfação das necessidades mais básicas, a aposta agora é na economia, que gerará emprego e criará condições para a fixação das populações”, defendeu o presidente da Câmara Municipal de Moimenta da Beira durante as Conferências do Douro Sul que decorreram em Lamego esta sexta-feira passada, 23 de Novembro.


“Depois do investimento na satisfação das necessidades mais básicas, a aposta agora é na economia, que gerará emprego e criará condições para a fixação das populações”, defendeu o presidente da Câmara Municipal de Moimenta da Beira durante as Conferências do Douro Sul que decorreram em Lamego esta sexta-feira passada, 23 de Novembro.

O autarca, que interveio no primeiro painel da manhã, criticou a política de esvaziamento de serviços nos municípios do interior (tribunais, escolas, centros de saúde…) e recusou admitir, face à grave crise que o país atravessa, que a região e o resto de território nacional não têm futuro. “Sempre soubemos ultrapassar as dificuldades, mesmo as maiores, é por isso que também esta será ultrapassada”, lembrou.

Ricardo Magalhães, que exerceu o cargo de chefe de projecto da Estrutura de Missão do Douro, discursou também, alertando para os problemas demográficos da região do Douro Sul (perdeu 16 mil pessoas em 10 anos) e reivindicando um novo modelo e uma nova arquitectura institucional à escala local, regional e nacional.

Nos outros painéis, além da palavra dos autarcas do Douro Sul, foram oradores convidados o antigo ministro da Economia, Augusto Mateus, o sociólogo e também ex-ministro (da Agricultura) António Barreto, e os euro deputados Elisa Ferreira, Ilda Figueiredo e José Manuel Fernandes.

A sessão de abertura foi presidida pelo ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

  • Conferências 1