Passar para o Conteúdo Principal

Prazo às candidaturas de apoio à instalação de redes anti granizo em pomares deve ser alargado um mês

Dsc 0011 1 980 2500
18 Junho 2021

O Presidente da Câmara Municipal de Moimenta da Beira apelou hoje aos agricultores e às organizações de produtores da região que adiram “em força” às candidaturas de apoio à instalação de redes anti granizo em pomares disponibilizadas pelo Governo. “Se quisermos manter este instrumento de apoio, temos que o usar”, lembrou José Eduardo Ferreira.

O autarca lançou o apelo na sessão de esclarecimento que decorreu esta sexta-feira de manhã, em Moimenta da Beira, iniciativa que juntou dezenas de agricultores e organizações de produtores da região, em especial de Armamar, Lamego, Moimenta da Beira e Tarouca, os concelhos mais afetados pelas intempéries de granizo, geada e outros fenómenos que têm destruído nos últimos anos centenas de hectares de pomares, provocando gravíssimos prejuízos aos agricultores e à economia local.

Até ontem apenas 25 candidaturas tinham dado entrada nos serviços do Ministério da Agricultura. “Parece-me muito pouco tendo em conta as preocupações manifestadas pelos agricultores e a extensão dos prejuízos”, disse a Diretora Regional de Agricultura e Pescas do Norte, Carla Alves, que admitiu o alargamento do prazo para a entrega das candidaturas em mais um mês, passando de 23 de junho para 23 de julho, dilação que permitirá o aumento do número de processos de candidaturas por parte dos fruticultores interessados.

António Tojal, Presidente da Beyra d’Ouro Fruits, uma sociedade composta por um núcleo de seis empresas da região, englobando mais de 300 produtores e mais de mil hectares de macieiras que no seu conjunto produzem cerca de 45 mil toneladas de maçã por ano, está convencido que os agricultores “à boa maneira portuguesa deixam tudo para a última hora”. O dirigente, que é também produtor e empresário, assegura que muitas candidaturas vão ainda ser apresentadas.

O Governo vai alocar 17,5 milhões de euros à instalação de redes anti granizo que têm como objetivo contribuir para a proteção dos pomares contra agentes climáticos adversos e para o reforço da viabilidade das explorações agrícolas, promovendo uma maior previsibilidade do rendimento e valorização da produção. O apoio estatal pode chegar a 60% a fundo perdido no âmbito do PDR 2020.

Na sessão de esclarecimento usaram ainda da palavra José Teixeira, da Beyra d’Ouro Fruits, que falou sobre as "vantagens de rede anti granizo"; Maria Adelaide Inácio, Diretora de Serviços de Investimento da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, que apresentou a medida 3.2.1 (redes anti granizo em Pomóideas e Prunóideas); e ainda três representantes de empresas de instalação de redes anti granizo. 

dsc_0020
dsc_0038
dsc_0023
dsc_0037
dsc_0034
dsc_0024
dsc_0030