Passar para o Conteúdo Principal

Valiosa doação de livros à Casa do Povo de Leomil

20131230141150356708 1 980 2500
30 Dezembro 2013
Manuel Rodrigues Vaz, um leomilense de Beira Valente radicado em Lisboa, homem de cultura, acaba de doar várias centenas de livros à Casa do Povo de Leomil, instituição que quer criar uma biblioteca. Há uns meses atrás, já tinha feito o mesmo.

Manuel Rodrigues Vaz, um leomilense de Beira Valente radicado em Lisboa, homem de cultura, acaba de doar várias centenas de livros à Casa do Povo de Leomil, instituição que quer criar uma biblioteca. Há uns meses atrás, já tinha feito o mesmo.

“De entre este espólio é de salientar uma camoniana com inúmeros exemplares que constituiu já diversas exposições no país. É de salientar ainda um conjunto amplo de livros da Editorial Inquérito que teve como proprietário outro moimentense, Eduardo Salgueiro”, enfatiza Jaime Gouveia, vice-presidente para a cultura da Casa do Povo de Leomil.

O dirigente curva-se perante o gesto e diz que a instituição saberá dar ao produto da doação “o melhor desfecho”, agradecendo a Manuel Rodrigues Vaz e à Câmara Municipal “que se encarregou do transporte dos 18 caixotões”.

Traçando o perfil de Rodrigues Vaz, lembra Jaime Gouveia que, “corria o ano de 1959 quando o Correio Beirão lançou um concurso para atribuição de um livro. Para o ganhar os concorrentes apenas necessitariam de responder a uma série de perguntas relacionadas com autores nacionais e estrangeiros. Já então bibliófilo, ainda muito novo, Manuel Rodrigues Vaz foi o contemplado, depois de arrostar com figuras já bem mais maduras e com mais experiência e formação. Recebeu o livro Seara de Vento da autoria de Manuel da Fonseca. Com o transcorrer da sua vida o Dr. Manuel Rodrigues Vaz, natural de Beira Valente, figura bem conhecida de todos, traçou uma carreira profissional bem preenchida, em várias áreas, e além-fronteiras, nunca deixando de parte a sua paixão pelos livros. De há muitos anos a esta parte, não há sábado de Feira da Ladra em que não volte à sua residência com várias obras adquiridas, não havendo raridades também, sobretudo relacionadas com o concelho e região, que lhe passem por entre as mãos”.